ASP - Associação de Surdos do Porto

Início

Pedido de Informações

Contactos

Pesquisa

| 3 Dezembro 2022  | 2022 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     

Qualidade

Departamento de Formação Profissional

CIPS - Centro de Integração Profissional para Surdos

Cursos de LGP para a Comunidade Ouvinte

Quem somos? O que fazemos?

Notícias e Informações

Informações em LGP

Os desenhos do Goulão

Departamento da Pessoa Surdo Cega

Porto a Cidade que amamos

A Surdez

ORÇAMENTOS E CONTAS ANUAIS

Ai que Saudades...

Corpos Sociais

Cultura Surda

Cultura, Lazer e Juventude

Desporto

Diversos/Informações

Educação

Estatutos da ASPorto Originais

Estatutos ASPorto últimos em vigor

Funcionários

Histórias de Vida

Legislação

Língua Gestual

Seniores Surdos

Reforma da Educação Especial

Profissionais da Educação Especial contra novo diploma


JN - Sociedade - 17/02/2004
 
Participantes em plenário nacional dizem que alterações deixarão milhares de alunos sem apoio
 
Professores e educadores de educação especial repudiaram ontem, num plenário nacional, em Lisboa, o ante-projecto de Decreto-lei do Governo para a Educação Especial e o Apoio Sócio Educativo.
 
Promovido pela Federação Nacional dos Professores (FENPROF), o plenário nacional, que se realizou no Instituto Franco-Português, reuniu cerca de 150 educadores e professores, de acordo com os organizadores.
 
Numa resolução da FENPROF, aprovada por unanimidade, os participantes classificam o documento do Ministério da Educação como uma contra-reforma da Educação Especial que deixará milhares de alunos sem apoio.
 
No entender da Federação, o documento governamental permite que nem todas as escolas podem ser inclusivas, "o que implica que um aluno com necessidades educativas especiais pode ser obrigado a matricular-se fora da sua área de residência".
 
Ainda segundo a federação, as crianças e jovens podem, agora mais facilmente ser segregadas em instituições de educação especial e podem ser encaminhados, precocemente, para a vida activa.
 
Relativamente aos docentes, a federação defende que o objectivo do ministério é reduzir, desregulamentar e controlar.
 
O ante-projecto do Governo, cuja discussão pública terminou Sábado, é na opinião da Fenprof, "um verdadeiro atentado contra a escola pública, democrática, de qualidade e inclusiva, que, ser aprovado e publicado, representaria um tremendo retrocesso ao instituir, na escola portuguesa, a exclusão como regra e a inclusão como excepção".
 
Depois da aprovação da resolução, os docentes e educadores desfilaram até ao Ministério da Educação, onde entregaram o documento.

Imprimir este artigo          Enviar este artigo por email

 

 

© 2003 - 2022 Associação de Surdos do Porto