ASP - Associação de Surdos do Porto

Início

Pedido de Informações

Contactos

Pesquisa

| 24 Abril 2017  | 2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     2016/2017 - PARA OUVINTES - CURSOS DE LGP - VER INFORMAÇÕES NA SECÇÃO "CURSOS DE LGP PARA A COMUNIDADE OUVINTE"     

Qualidade

Departamento de Formação Profissional

CIPS - Centro de Integração Profissional para Surdos

Cursos de LGP para a Comunidade Ouvinte

Quem somos? O que fazemos?

Notícias e Informações

Informações em LGP

Os desenhos do Goulão

Porto a Cidade que amamos

A Surdez

Atividades (Plano e Relatório) e Contas (Orçamento e Relatório)

Ai que Saudades...

Comissão Provisória de Gestão

Cultura Surda

Cultura, Lazer e Juventude

Desporto

Diversos/Informações

Educação

Estatutos da ASPorto

Funcionários

Histórias de Vida

Legislação

Língua Gestual

Seniores Surdos

Surdez Cegueira

Ctilg

Surdez Cegueira  | 

Surdocegueira e Múltipla Deficiência Sensorial



INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE SURDOCEGUEIRA E MÚLTIPLA DEFICIÊNCIA SENSORIAL


1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Surdocegueira é uma deficiência única que apresenta a perda da audição e visão de tal forma que a combinação das duas deficiências impossibilita o uso dos sentidos de distância, cria necessidades especiais de comunicação, causa extrema dificuldade na conquista de metas educacionais, vocacionais, recreativas, sociais, para acessar informações e compreender o mundo que o cerca.

Múltipla deficiência sensorial é a deficiência auditiva ou a deficiência visual associada a outras deficiências (mental e/ou física), como também a distúrbios (neurológico, emocional, linguagem e desenvolvimento global) que causam atraso no desenvolvimento educacional, vocacional, social e emocional, dificultando a sua auto-suficiência.

2. TIPOS

Surdocegueira:

  • Cegueira congênita e surdez adquirida
  • Cegueira e surdez adquirida
  • Surdez congênita e cegueira adquirida
  • Baixa visão com surdez congênita ou adquirida.
  • Cegueira e surdez congênita  

    Múltipla deficiência sensorial:

  • Surdez com deficiência mental leve ou severa.
  • Surdez com distúrbios neurológicos, de conduta e emocionais.
  • Surdez com deficiência física (leve ou severa).
  • Baixa visão com deficiência mental leve ou severa.
  • Baixa visão com distúrbios neurológicos, emocionais e de linguagem e conduta.
  • Baixa visão com deficiência física (leve ou severa).
  • Cegueira com deficiência física (leve ou severa).
  • Cegueira com deficiência mental (leve ou severa)
  • Cegueira com distúrbios emocionais, neurológicos, conduta e linguagem.

    3. DADOS ESTATÍSTICOS

    É muito difícil precisar números exatos. A razão principal é que a surdocegueira e a múltipla deficiência sensorial, em geral, ocorrem em conjunto com outras deficiências mascarando a deficiência sensorial. Sendo assim, o Grupo Brasil de Apoio ao Surdocego e ao Múltiplo Deficiente Sensorial realizará um censo para mensurar o número exato de surdocegos e múltiplos deficientes sensoriais no Brasil.

    4. CAUSAS


    SÍNDROMES:


    - Icterícia

    - Prematuridade

    - Sífilis congênita

    - Otite média crônica

    - Meningite

    - West

    - Citomegalovirus

    - Medicação ototóxica

    - Bardet-Bredl's

    - Falta de oxigênio

    - Hidro e microcefalia

    - Lenox Gausteaux

    - Sarampo

    - Fator rh - Goldenhar

    - Traumatismos (acidentes)

    - Caxumba

    - Hallgren

    - Glaucoma

    - Rubéola materna

    - Flynn-Aird

    - Medicação teratogênica

    - Pierre Robin

    - Cockayne

    - Retinose pigmentar

    - Charge

    - Amaurose de Leber

    - Tumor cerebral

    - Kearns-Lavre

    - Usher

    - Toxoplasmose

    - Alstrom

    - Catarata

     

    - Casamentos consangüíneos


    5. FATORES DE RISCO


  • Epidemias de doenças como rubéola, sarampo, meningite
  • Doenças venéreas
  • Infecções hospitalares
  • Gravidez de risco.
  • Falta de saneamento básico  

    6. PARA FAZER A IDENTIFICAÇÃO
  • Pode presentar movimentos estereotipados e repetitivos.
  • Não antecipa as atividades.
  • Não demonstra saber as funções dos objetos ou brinquedos, utilizando-os de maneira inadequada.
  • Pode rir e chorar sem causa aparente.
  • Pode apresentar resistência ao contato físico.
  • Empurra o olho, provocando sensações.
  • Movimenta os dedos e as mãos em frente aos olhos.
  • Não se comunica de maneira convencional.
  • Pode apresentar distúrbio de sono.
  • Não explora o ambiente de maneira adequada.
  • Tropeça muito e bate nos móveis, objetos e etc..
  • Gosta de ficar em locais com luminosidade.
  • Pode não reagir a sons

    7. EXAMES PARA TER UM DIAGNÓSTICO CORRETO

  • Exames laboratoriais;
  • Exames médicos: (neurológico, visão, audição e físico)
  • Avaliações genéticas;
  • Diagnóstico diferencial.
     


    Voltar

    Imprimir este artigo          Enviar este artigo por email

    Para ler mais

    Comunicação e Trabalho de Equipa na Surdocegueira: papel do Terapeuta da Fala

    Gennet, a primeira Surdocega a atingir a Universidade em Espanha

    Palestra-Debate sobre a Pessoa Surda e Surdocega

    Dias Felizes

    Contacto e-mail do Responsável do DAPSc

    Casal de Surdoscegos casa após namoro pela Internet

    Sou Surdocego e escrevo poemas...

    Seminário Exclusão Social e Escolar do Cidadão portador de Surdez e Surdocegueira

    Espanha reconhece a Surdocegueira como deficiência específica

    Seminário "Preparar Hoje o Futuro: novos horizontes para a Pessoa Surdocega em Portugal" - As Fotos

    O papel da Sociedade Moderna na Habilitação e Reabilitação da Pessoa Surdocega ? contributos da Casa Pia de Lisboa na sua concretização

    Educação e Qualidade de Vida para a Pessoa Surdocega: Ultrapassando a barreira da "deficiência"

    Alfabeto Manual da Pessoa Surdocega

    American Foundation for the Blind

    Um novo milénio, um novo olhar sobre a Pessoa Humana

    Serviços de Apoio a Surdocegos na Europa

    Ser Surdocego numa Sociedade que desconhece a Surdocegueira

    Um Percurso de Vida

    Helen Keller e a Surdocegueira

    Helen Keller

    Helen Keller e a Surdocegueira

    APASCICE

    A Vida de Helen Keller

    O Surdo com dificuldades visuais

    O Surdocego adulto

    O bebé Surdocego

    Causas da Surdocegueira

    Quem é o Surdocego?

    Comunicando com uma Pessoa Surdocega

    1º Encontro Ibero-latino-americano de Surdocegueira e Multideficiência

    Universidade Presbiteriana Makenzie - S. Paulo - Brasil

    Objectivos deste Departamento

    Surdoscegos europeus têm a sua União

    O que fica de Helen Keller

    Os Surdoscegos querem fazer-se ouvir

    XIII Conferência Mundial de Surdocegos

    Quem é José Pedro Amaral?

     

     

    © 2003 - 2017 Associação de Surdos do Porto